The Clash – London Calling – 1979

The Clash

London Calling: disco do The Clash, de 1979

Por Marcos Lauro

Quando algumas publicações ou sites pedem para os críticos as famosas listas de “melhores do ano”, também pedem para que o crítico destaque duas faixas daquele disco. Assim, também é possível fazer uma referência à lista de melhores músicas do ano.

Se eu estivesse em 1979 e me pedissem esse destaque, eu fatalmente não conseguiria fazer do disco London Calling. Por mais que você goste de um disco, sempre tem aquelas duas ou três músicas que te fazem voltar ou ouvir no repeat. Aqui, não. Sem condições.

O terceiro disco do Clash reúne toda a mistura que tornou a banda conhecida mundialmente e traz seus primeiros hits. No primeiro trabalho já haviam “White Riot” e “London’s Burning”. Mas ali, o punk rock dominava e não são sons tão bem vindos para a maioria dos ouvidos. Aqui, não. Tem reggae, ska e até algumas baladas. E músicas que entraram para a história. Tirar qualquer uma delas do contexto do disco pode esvaziar seu significado.

O discurso contra a polícia predomina em London Calling, criticando a sociedade britânica da época. Mas também tem história: Spanish Bombs fala sobre a Guerra Civil Espanhola, The Guns of Brixton trata da revolta de imigrantes jamaicanos em Brixton na década de 1970 e Wrong em Boyo é uma versão da banda de rocksteady jamaicana The Rulers e fala sobre o assassinato de Billy Lyons pelo cafetão Stagger Lee, no Natal de 1895, em St. Louis, Missouri. A história se tornou uma lenda norte-americana e virou música em 1911.

Enquanto a faixa título chama Londres para a guerra, Clampdown tem uma batida que beira a disco music (que estava bombando na época, lembre-se!), Lost in the Supermarket coloca tudo à venda – inclusive a sua personalidade -, Lovers Rock faz dançar juntinho, Revolution Rock é reggae roots e Train in Vain é a faixa mais pop do disco.

Além de tudo isso, London Calling tem uma das capas mais emblemáticas da história do rock. Baseada na tipografia do primeiro disco do Elvis Presley, a capa traz, em vez de um jovem branco norte americano cantando, um jovem inglês, baixista (Paul Simonon), quebrando seu instrumento durante um show nos Estados Unidos, em 1979.

Hoje, a união entre as palavras “atitude” e “rock and roll” está muito desgastada. Ninguém sabe o que significa. Mas, na época, a capa e o conteúdo de London Callling podiam fazer parte da lista de significados de “atitude rock and roll”.

The Clash – London Calling

Ouça o disco

  1. London Calling
  2. Brand New Cadillac
  3. Jimmy Jazz
  4. Hateful
  5. Rudie Can’t Fail
  6. Spanish Bombs
  7. The Right Profile
  8. Lost in the Supermarket
  9. Clampdown
  10. The Guns of Brixton
  11. Wrong ‘Em Boyo
  12. Death or Glory
  13. Koka Kola
  14. The Card Cheat
  15. Lover’s Rock
  16. Four Horsemen
  17. I’m Not Down
  18. Revolution Rock
  19. Train in Vain (Stand by Me)
Anúncios

Comente sobre este disco

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s