Soulfly – Soulfly – 1998

Soulfly

Soulfly: disco do Soulfly, de 1998

Por Marcos Lauro

Disco de estreia da banda de Max Cavalera, fruto da sua saída do Sepultura. Mais que isso: é um disco de redenção, por vários motivos. Era a volta de Max para o metal depois de quase dois anos do seu rompimento com o Sepultura e, consequentemente, como seu irmão Iggor Cavalera.

Por isso, é um disco com uma sensação de urgência, para botar pra fora dois anos de angústias, rancores e sentimentos – bons ou ruins. Soulfly é um disco dedicado à memória de Dana Wells, enteado de Max, filho de Gloria Cavalera, que havia falecido também há pouco mais de dois anos e que foi um dos fatores para que Max decidisse, com sua esposa, abandonar a trajetória da banda de metal mais famosa do Brasil de todos os tempos.

Pouco antes da morte de Chico Science, Max estava articulando um trabalho que juntasse o Sepultura com a Nação Zumbi – ou não necessariamente com o Sepultura. O importante, para Max, era trabalhar com Science de alguma forma, nem que fosse por meio de um projeto paralelo.

O acidente fatal de Science não permitiu o encontro, mas com o Soulfly, Max torna isso quase uma realidade. Os tambores da Nação Zumbi aparecem em mais da metade do disco, dando peso às guitarra de Max e… Lúcio Maia! O guitarrista da Nação faz a segunda guitarra em todas as faixas e usa o codinome de Jackson Bandeira. Na própria Nação, já sabíamos do potencial de Lucio Maia, mas ouvi-lo num CD de metal foi uma surpresa pela qualidade e pela desenvoltura dele ao lado da guitarra grave de Max Cavalera.

As músicas refletem esse período de Max Cavalera, em que ele se pergunta sobre os motivos das perdas (Dana e Science). “Eye for an Eye”, “Bleed” – “tudo o que vai, volta”, diz Max – e “First Commandment” – sobre o primeiro mandamento, “não matarás”, essa mais direta sobre Dana – são bons exemplos.

Umbabarauma”, de Jorge Ben, ganhou um peso que nunca havia se imaginado para a faixa. Na versão lançada no Brasil, há três bônus: “Cangaceiro”, “Ain’t no Feeble Bastard” e ”The Possibility of Life’s Destruction”, estas duas últimas versões do Discharge.

Soulfly mostrou para os fãs que nem tudo estava perdido com a separação do Sepultura. Agora, teríamos duas ótimas bandas de metal ao invés de uma.

Soulfly – Soulfly

Ouça o disco

  1. Eye For An Eye
  2. No Hope = No Fear
  3. Bleed
  4. Tribe
  5. Bumba
  6. First Commandment
  7. Bumbklaatt
  8. Soulfly
  9. Umbabarauma
  10. Quilombo
  11. Fire
  12. The Song Remains Insane
  13. No
  14. Prejudice
  15. Karmageddon
  16. Cangaceiro
  17. Ain’t No Feeble Bastard
  18. The Possibility Of Life’s Destruction
Anúncios

Comente sobre este disco

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s