Ray Charles & Count Basie Orchestra – Ray Sings, Basie Swings – 2006

Ray Charles

Ray Sings, Basie Swings: disco de Ray Charles e Count Basie Orchestra, de 2006

Por Marcos Lauro

Discos póstumos são sempre motivo para polêmicas e discórdia. Afinal, pensam alguns: se nem o artista quis lançar aquele material em vida, porque um produtor ou a família o lançam? Temos bons e maus exemplos e a lista é bem grande. Mas aqui temos um exemplo de um belo trabalho feito com material de dois mestres que, na época, já haviam morrido.

Continuar lendo

Anúncios

Diana Ross join The Temptations & The Supremes – 1968

Diana Ross join The Temptations & The Supremes, disco de 1968

Colaboração de Hyldon*

Nota do Editor: Hyldon é cantor e compositor e forma, junto com Tim Maia e Cassiano, a base da soul music e da black music brasileira. Compositor de “Na Rua, Na Chuva, Na Fazenda”, “Dores do Mundo” e outras músicas de sucesso.

Em todo álbum sempre tem aquela – ou aquelas – que batem mais. Tem discos que são como um filme, têm que ser curtidos totalmente, daqueles que você fica no cinema até acabar as letrinhas. Esse disco é exatamente assim.

Continuar lendo

Tim Maia – Tim Maia – 1970

Tim Maia

Tim Maia: disco de Tim Maia, de 1970

Por Leo Morato

Este é o álbum de estreia do homem que trouxe o soul e a black music americana ao Brasil. O gênio – por muitos incompreendido e por outros o próprio destruidor de sua vida e carreira –  Tim Maia mostrou a potência e o potencial de sua voz com este disco.

Continuar lendo

Wynton Marsalis & Ellis Marsalis – Joe Cool’s Blues – 1994

Wynton MarsalisEllis Marsalis

Joe Cool’s Blues: disco de Wynton Marsalis & Ellis Marsalis, de 1994

Colaboração de Paulo Caruso

Nota do editor: O homem que passa sua visão sobre o mundo por meio de ilustrações não poderia escolher melhor trilha sonora: o jazz, tema dos desenhos do Charlie Brown, o Peanuts, de Charles Schulz. E escolheu as palavras do próprio autor do disco, Wynton Marsalis, para falar sobre a trilha da animação.

Continuar lendo

Jeff Buckley – Grace – 1994

jeff buckley grace

Grace: disco de Jeff Buckley, de 1994

Por Leo Morato

De todas as perdas que alguém pode sofrer ao longo da vida, a morte é, com certeza, a maior delas. Irremediável e sem volta. A morte de Jeff Buckley, aos 30 anos, por afogamento, em 1997, foi das maiores perdas que o mundo da música já teve.

Perder um ícone como Frank Sinatra, aos 82 anos, ao final da carreira e da vida (literalmente) tem um significado de perda muito menor do que quando isso ocorre com um talento tão grande e promissor como Jeff Buckley. E é disso que seu principal disco, Grace, fala: perdas.

Continuar lendo

Corinne Bailey Rae – The Sea – 2010

Corinne Bailey Rae

The Sea: disco da Corinne Bailey Rae, de 2010

Por Marcos Lauro

A perda do marido, Jason Bruce Rae, em 2008, foi determinante para o tom do novo trabalho de Corinne Bailey Rae. The Sea é melancólico, íntimo e apaixonado. Mas isso não impede que levadas mais suingadas apareçam.

Continuar lendo

John Coltrane – Blue Train – 1957

 John Coltrane

Blue Train: disco de John Coltrane, de 1957

Colaboração de Paulo Rezende

John Coltrane revolucionou a história do jazz sendo referência para inúmeros outros artistas. E Blue Train foi um divisor de águas em minha vida. Venho lapidando meu gosto musical e este álbum foi, sem dúvida, o responsável por isso.

Continuar lendo

Portishead – Dummy – 1994

Portishead

Dummy: disco do Portishead, de 1994

Por Marcos Lauro

Em 1994, a cena eletrônica da Inglaterra estava em plena efervescência. O Prodigy já estava no segundo disco e causava com tudo e com todos. O Chemical Brothers se preparava para lançar seu primeiro trabalho, com tons altos e batidas aceleradas – o que se chamou à época de “big beat”. E tinha espaço também para sons mais introspectivos, escuros e por vezes relaxantes. Aí é que entra o Portishead.

Continuar lendo

Hyldon – Na Rua, Na Chuva, Na Fazenda – 1975

Hyldon

Na Rua, Na Chuva, Na Fazenda: disco do Hyldon, de 1975

Por Marcos Lauro

Sabe aqueles discos que você descobre longos anos depois do seu lançamento e pensa que é uma coletânea? Porque você começa a olhar as faixas e percebe que já conhece todas, ou na gravação original ou com outras vozes.

Hyldon ganhou diversas regravações – especialmente nos anos 1990 – de gente como Kid Abelha e Jota Quest. Com isso, chegou em uma geração que não viu o seu sucesso em 1975, quando formou as bases da soul music no Brasil, junto com Tim Maia e Cassiano.

Continuar lendo

Criolo – Nó na orelha – 2011

Criolo

Nó na orelha: disco do Criolo, de 2011

Por Leo Morato

Quando um artista e sua obra fogem ao padrão de comportamento e ao estereótipo do rótulo ao qual ele foi enquadrado, costumam acusá-lo de “trair o movimento”.

Tal acusação seria ainda mais fácil e comum de se fazer a compositores de músicas de protesto como Criolo. Sim, porque poderíamos enquadrá-lo como rapper, mas não é só isso. Pelo contrário: é muito mais!

Continuar lendo