Ozzy Osbourne – Diary of a Madman – 1981

Diary of a Madman, disco de Ozzy Osbourne de 1981

Diary of a Madman, disco de Ozzy Osbourne de 1981

Colaboração de Mauricio Verderame

Se você tem menos de 45 anos, provavelmente não faz noção do que era ouvir um LP importado no Brasil de 1983. As coisas chegavam aqui com pelo menos um ou dois anos de atraso. Foi assim que no final de 83 uma fita cassete TDK me revelou o segundo álbum solo de Ozzy Osbourne, Diary of a Madman. É um álbum soberbo, em grande parte devido ao trabalho neoclássico do garoto Randy Rhoads – um quase desconhecido guitarrista que havia tocado numa formação prévia do Quiet Riot antes de se juntar à nova banda do ex-vocalista do Black Sabbath em 1979. Rhoads, com 25 anos à época da gravação, morreria exatamente um ano depois em um acidente de avião.

Continuar lendo

Anúncios

Two Door Cinema Club – Tourist History – 2010

Tourist History, disco do Two Door Cinema Club de 2010

Tourist History, disco do Two Door Cinema Club de 2010

Colaboração de Nicole Kharsa

Lançado em 2010, o disco Tourist History, da banda norte-irlandesa Two Door Cinema Club, traz músicas como Something Good Can Work e I Can Talk, além da música que fez a banda estourar nas paradas britânicas What You Know. Esse disco é antigo, mas todas as faixas sem exceção são muito boas. A banda faz uma mistura de indie rock com arranjos eletrônicos.

Continuar lendo

John Legend & The Roots – Wake Up! – 2010

Wake Up, disco de John Legend & The Roots de 2010

Wake Up, disco de John Legend & The Roots de 2010

Por Marcos Lauro

As eleições norte-americanas de 2008 trouxeram esperança não só para os habitantes daquele país como também para todo o mundo. Barack Obama era o primeiro presidente negro eleito, um sinal de igualdade e esperança. E, claro, essas eleições também inspiraram a cultura pop. Na música, um dos resultados foi o disco Wake Up!, produzido por John Legend e a banda The Roots.

Continuar lendo

João Gilberto – Chega de Saudade – 1959

Chega de Saudade, disco de João Gilberto de 1959

Chega de Saudade, disco de João Gilberto de 1959

Colaboração de Malcon Fernandes

Graças a este disco, existe Caetano, Chico, Gil, Milton, Tom Zé e os Novos Baianos, entre outros. A sua forma de tocar violão mudaria o rumo da MPB. Naqueles tempos, os cantores de rádio eram os ídolos máximos com seus cabelos “Gumex” para trás, com bigodinho estilo amante latino e cantavam boleros com um tom forte, conquistando o público via Rádio Nacional. João fugiu dos padrões, mostrando-se um exímio e talentoso cantor e violonista que sempre buscava um jeito de mostrar a sua batida “bossa nova”.

Continuar lendo

Elis Regina – Falso Brilhante – 1976

Falso Brilhante, disco de Elis Regina de 1976

Falso Brilhante, disco de Elis Regina de 1976

Por Marcos Lauro

Falso Brilhante é um disco ao vivo, só que ao contrário.

Nessa época era comum alguns artistas fazerem longas temporadas de shows. Da mesma forma como hoje são algumas peças de teatro, o artista se apresentava de quinta a domingo num lugar fixo por um tempo. E a Elis Regina fazia isso. E muito bem!

Continuar lendo

Elo da Corrente – Cruz – 2014

Cruz: disco do Elo da Corrente de 2014

Cruz: disco do Elo da Corrente de 2014

Colaboração de Pedro Paiva

Em um belo dia, eu, minha namorada e uns amigos íamos em direção a Moóca e coloquei o CD Cruz do Elo da Corrente pra tocar no carro. Logo na primeira faixa, com palavras fortes e uma voz sofrida que lembra muito as lamentações do Reginaldo Rossi, minha namorada pergunta: ”Que musica é essa?” Mas com um ar de espanto, querendo me recriminar por estar ouvindo musica “brega”. Só falei pra ela prestar atenção… – e PEI! Começa a pedrada!

Continuar lendo

The Killers – Hot Fuss – 2004

Hot Fuss: disco do The Killers de 2004

Hot Fuss: disco do The Killers de 2004

Por Marcos Lauro

Hot Fuss te dá, de cara, uma das melhores introduções que um disco de estreia pode conter. Sim, eu sei. Um pouco específico isso. “Introdução de disco de estreia”. Parece até categoria do Grammy. Mas é quase impossível não reagir aos efeitos e ao baixo de Jenny Was A Friend Of Mine, que chega pulsando e mostrando o poder de fogo do The Killers.

Continuar lendo

Almôndegas – Almôndegas – 1975

Almôndegas

Almôndegas: disco dos Almôndegas, de 1976

Colaboração de Malcon Fernandes

Folk com cheiro de campo e de música regionalista, muito som de viola, ainda que tenham influências do rock n’roll e com pés no Rio Grande do Sul. Em especial, na linguagem gaúcha.

Essa seria a frase certa para definir o grupo Almôndegas, formado em 1972 pelos irmão Kleiton e Kledir Ramil, vindos de Pelotas, do sul do Estado e se juntando com o primo Pery Souza e os amigos Gilnei Silveira e Quico Castro Neves.

Continuar lendo

Ray Charles & Count Basie Orchestra – Ray Sings, Basie Swings – 2006

Ray Charles

Ray Sings, Basie Swings: disco de Ray Charles e Count Basie Orchestra, de 2006

Por Marcos Lauro

Discos póstumos são sempre motivo para polêmicas e discórdia. Afinal, pensam alguns: se nem o artista quis lançar aquele material em vida, porque um produtor ou a família o lançam? Temos bons e maus exemplos e a lista é bem grande. Mas aqui temos um exemplo de um belo trabalho feito com material de dois mestres que, na época, já haviam morrido.

Continuar lendo